RPG desmortos

Publicado em novembro 8th, 2017 | por Rafa Almeida

Desmortos: um RPG sem dados sobre Vampiros!

Desmortos (Undying) é um RPG sobre vampiros de Paul Riddle que não utiliza dados e foi lançado por financiamento coletivo no Kickstarter, em 2015. Agora, ele está chegando ao Brasil pela Fábrica Editora, o projeto se encontra hoje em financiamento coletivo.

Adentre um mundo sombrio

Desmortos é sobre Vampiros. Vampiros predadores. Vampiros assassinos. Inclusive, é natural comparar Desmortos com White Wolf ou Sombras Urbanas. Todavia, Desmortos é um jogo mais simples e é focado em dois aspectos centrais: caçar humanos  e a dominância entre os vampiros.

“Você é um predador: um vampiro que caça humanos a noite e se banqueteia com seu sangue. Vampiros são reservados, mas não solitários. São como uma matilha de lobos”.

O jogo

O jogo gira em torno de períodos breves de conflitos, em que velhas inimizades se encontram, ou em novos conflitos que se iniciam. Também envolve períodos um pouco mais longos de intrigas e histórias seculares, ainda mal resolvidas. Durante uma ou duas sessões, os jogadores experimentam novos eventos e crises que vem se desenrolando por gerações. E continuam até que sejam totalmente resolvidas.

A simplicidade de Desmortos não está apenas nessa visão baseada em dois aspectos. Também existem poucos indicadores para os jogadores acompanharem durante as sessões de jogo. São eles: Humanidade, Sangue, Favores (devidos a outros Vampiros) e Status (em relação aos vampiros). Isso se soma a um sistema de movimento bem rápido e uma maneira boa de resolver os momentos de violência. Além de um modo coerente e ágil de resolver conflitos entre jogadores. Por esses motivos, o sistema é veloz e fluido.

Uma simples bala não pode pará-lo

Desmortos parece que vai criar vários conflitos entre os personagens, o que torna o sistema ainda melhor. Afinal, estamos falando de predadores, seres superiores, líderes da cadeia alimentar, assassinos amaldiçoados.

Os personagens

Os personagens não são muito simpáticos, apesar de ter todo o romantismo do vampirismo envolvido. Inicialmente, achei que o jogo seria puramente de conflitos entre vampiros, fossem eles políticos ou físicos e a relação entre eles durante séculos.

Mas, Desmortos é muito mais atraente. Os períodos de tempo ou de jogo são divididos entre Período Noturno, em que um conflito é resolvido e Tempo de Inatividade, quando muitos anos podem se passar dentro do jogo. Com isso, vampiros podem tramar planos, ou criar estratégias que serão executadas daqui a 100 anos, após um torpor (período de descanso dos vampiros) dentro do jogo. E esse novo conflito que será gerado por esses novos planos, serão as bases para novos embates que serão resolvidos nos períodos noturnos.

Onde encaixar os personagens?

É um jogo muito bem estruturado. Inicialmente um problema que pensei ter, foi com a sessão de criação de personagens. Notei que os arquétipos de personagens que haviam eram um pouco limitados e não havia gostado da maioria. Porém, percebi que eu estava analisando o jogo baseado nos jogos de Vampiro que costumávamos jogar na década de 90.

Vocês estão preparados?

Com um olhar mais crítico, percebi que realmente são muito interessantes as possibilidades de personagens. Existem várias maneiras de encaixá-los no meio de uma sociedade humana antiga e nas tramas infindáveis entre vampiros. Lealdades sendo testadas, alianças sendo feitas e quebradas, erros de julgamento de caráter, e toda essa beleza que vemos em uma sociedade vampírica.

Sendo assim, até na criação de personagens, Desmortos possui uma visão particular. Esses vampiros não são super-heróis góticos, mocinhos controversos. São predadores, e se alimentam de seres humanos, e até de outros vampiros.

Acho que se eu tiver que fazer uma comparação simples, acredito que o primeiro filme do Blade é bem legal, já que temos os vampiros brigando por dominância. Outro que lembra, é o primeiro filme da trilogia Anjos da Noite, em que vemos as tramas e conflitos entre vampiros. Apesar de ter romantizado a caça, é bem legal de se ver a comparação.

A preparação de aventuras

No livro existe uma boa ajuda para preparação de aventuras, com dicas para os mestres. E isso acontece de uma forma perfeita na resolução de conflitos com uma infinidade de possibilidades. O sistema é bem tranquilo de ser aprendido e jogado.

Basicamente, o sistema é sobre poder. Cada livro mostra uma maneira de lidar com os poderes que se pode ter no jogo. Não estou falando apenas de poder físico, mas também de influência, capacidade de negociação e tantos outros. Inclusive, isso abriu mais minha mente e me permitiu imaginar uma infinidade de personagens, títulos e conflitos que podem ser criados e resolvidos dentro do jogo.

A escuridão guarda surpresas obscuras

Podemos ter personagens de vários tipos. Diplomatas são capazes de fazer alianças entre grupos de vampiros. Soldados vão ser a força bruta. Vampiros Brutos usam sua força para intimidar e subjulgar outros vampiros. Anarquistas podem tentar destruir os poderes para viverem mais livres. Já o Selvagem é um vampiro que vive mais longe da sociedade e de todas essas normas.

Note que a maioria se parece com os clãs de Vampiro: A Máscara. Porque é um jogo de vampiro diferente, porém baseado nesse universo de uma forma mais cruel.

Considerações sobre Desmortos

Desmortos é um jogo fantástico. Bom para os saudosistas que se apinham nas mesas de Storyteller e para novos jogadores que podem ter uma visão mais agressiva dos vampiros. Imagino que deve ter sido exaustivo o número de testes para se chegar a um jogo tão redondo em regras e jogabilidade. Parabéns ao Paul Riddle por nos presentear com essa maravilha e à Fábrica Editora por nos trazer ele em nosso idioma. Desmortos é um jogo incrível, sangrento, cruel, lindo e empolgante. Se você gostou, corre lá, e ajude a trazer o jogo para o Brasil, clicando aqui.

É isso aí, galera. Essa foi uma visão mais pessoal, espero que todos tenham curtido, aprendido mais um pouco sobre o jogo e que tenham tirado caso houvesse alguma dúvida sobre o sistema.  Não se esqueça: quem pegar o humano primeiro, é dele! Ou não …

Um abraço, muitos sucessos decisivos a todos, e um excelente jogo!

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,


Sobre o Autor



Voltar ao Topo ↑