Notícias

Publicado em Março 27th, 2018 | por Emmanuel Deodato

Imersão BG: Santorini em tons de azul

Fala galera! Hoje iremos dar um pulo na Grécia, conhecer um pouco mais sobre uma de suas ilhas mais famosas. Lá, exploraremos sua arquitetura, história e lendas. Claro que estamos falando do clássico Santorini, do designer Dr. Gordon Hamilton.

Quer conhecer mais sobre essa bela ilha? Quer saber a inspiração para os telhados azuis? Não tem dinheiro para viajar até lá, mas quer ter conteúdo pra conversar com seu tio? Acompanhe e descubra um pouco mais sobre esse jogo.

Santorini: espólios vulcânicos

Santorini

Belíssima vista e construções

Santorini, conhecida oficialmente como Tira (Thera em inglês) e classicamente como Tera, é uma bela ilha ao sul do mar Egeu. Ela foi formada por sobras vulcânicas e é a maior ilha de seu arquipélago, conhecido como Cíclades (jogos, designers e teorias da conspiração).

Santorini e suas outras pequenas ilhas são o que restou de uma erupção vulcânica, que destruiu boa parte dos primeiros assentamentos humanos na antiga formação, redecorando, por assim dizer, a geografia do local.

Além dessa relação com vulcões, a ilha é conhecida também por ter sediado uma das maiores erupções vulcânicas já registradas. Ela ocorreu há 3.600 anos e esse fato reaparecerá nas lendas, vamos prosseguir.

Nomes, história e o que mais couber neste tópico

Santorini

O mapa de Santorini e suas outras ilhas. Créditos TripSavvy

Nomeada antigamente como Kallístē (“a mais bonita”) e Strongýlē (“a circular”), Santorini ficou realmente conhecida por Tera. O nome persistente até os dias de hoje.

Com a chegada do Império Latino, a ilha recebeu o nome de Santorini em homenagem à Santa Irene. Isso tem relação com uma antiga catedral construída na ilha de Perissa. Bem, não existe uma grande reviravolta, essa é a origem do nome.

A municipalidade de Tera nasceu em 2011, após uma reforma no governo local, criando inúmeras comunidades (subdivisões). Essa municipalidade é dividida em 12 locais subsequentes na ilha de Santorini: Akrotiri, Emporio, Episkopis Gonia, Exo Gonia, Imerovigli, Karterados, Megalohori, Mesaria, Pyrgos Kallistis, Thera (o centro desse governo), Vothon e Vourvoulos. Aquela facilidade dos nomes gregos.

Escavações ocorridas em Akrotiri em 1967, encontraram vestígios de uma civilização da Idade do Bronze, em uma época entre 3.000 e 2.000 A.C.

Santorini

Afrescos encontrados em Akrotiri

Ainda foram encontrados vestígios de condutores de água pela ilha, como canos e banheiros rudimentares. As ruínas bem preservadas encontradas aqui, foram comparadas com as de Pompéia. Isso por conta de seu estado e quantidade de informações disponíveis.

A ilha passou ainda pela influência dos fenícios e do Império Bizantino. Tudo isso fornecendo um pouco do visual e da cultura do local.

Durante a Segunda Guerra Mundial foi dominada pelas tropas italianas e alemãs, sendo atacada e disputada por forças britânicas. Entretanto toda a história e a geografia mudaram ao longo das eras com as erupções vulcânicas e a grande erupção minoica.

Erupções vulcânicas para todo lado

Santorini

A cada explosão de fumaça um novo medo de tudo afundar. Créditos GreekReporter

Santorini é a cadeia vulcânica mais ativa do complexo conhecido como Arco Vulcânico do Egeu Meridional. Mesmo que nos dias atuais o que resta é uma caldeira cheia de água.

Esse arco vulcânico tem aproximadamente 500 km de comprimento e 40 km de largura. A região se tornou vulcanicamente ativa por volta de 3 a 4 milhões de anos atrás. Além desse título, a ilha foi o local de uma das maiores erupções vulcânicas da história: a erupção minóica.

Ocorrida há cerca de 3.600 anos atrás, no auge da civilização minóica, a erupção deixou uma grande caldeira cercada por depósitos de cinzas. Para alguns historiadores a erupção causou um enorme tsunami que levou ao colapso da civilização minóica em Creta.

Os famosos telhados azuis

Santorini

Muito “azul” por aqui. Créditos The Independent

Se o jogo retrata algo que se tornou icônico na ilha são suas construções com telhados azuis. Essa arquitetura é reconhecida em outras cidades de Cíclades, com casas cúbicas baixas, construídas com pedras locais e caiadas de branco. Além disso, apresentam extensões comumente cavadas nas pedras-pomes ao redor.

Em 1956, após um grande terremoto, boa parte da ilha e de suas casas precisaram ser reconstruídas. As cores dominantes nessa arquitetura tão marcante, são o azul e o branco.

E qual o mistério? Apenas uma forma de homenagear e marcar as cores da bandeira grega. Mas essa singela homenagem acabou gerando uma concordância de cores com o mar Egeu e o céu da bela ilha, tornando-se uma famosa marca.

Santorini e suas lendas

Santorini

Possível mapa da metrópole de Atlântida. Créditos Systematics

Estando dentro da rica cultura grega, seria impensável Santorini não conter suas próprias lendas e criações.

Conta a lenda, que a ilha fora criada quando Eufemo, um dos argonautas, jogou ao mar um pedaço de terra como forma de presentear Tritão. Este é o deus marinho, filho de Poseidon. Esse pedaço de terra serviu como espaço para os descendentes de Eufemo e fora chamada de Kallíste, a mais bela.

Outra lenda bastante conhecida na região explica sobre o desaparecimento da civilização atlante. É dito que a erupção minoica com sua magnitude, acabou por criar um cataclismo para Atlântida, afundando a então próspera civilização.

Santorini: clássico, abstrato e marcante

Santorini

O belo jogo e seus trabalhadores alegres. Créditos Spin Master

Santorini não é um jogo complexo, cheio de mecânicas e absurdamente longo. Mas, também não é um jogo sem propósito, bobo e frouxo.

É, na verdade, um jogo simples, direto e bastante dinâmico. A forma como as construções vão aparecendo no tabuleiro, com seus tons, remete fortemente à famosa ilha.

Logicamente que estamos falando de um jogo abstrato. Por isso, você não vai se sentir como um habitante da ilha, nem tão pouco um autêntico argonauta ou atlante. Mas, a relação entre a escolha do tema e a forma como tudo se constrói no tabuleiro é interessante e bastante perceptível. O que deixa uma ideia de como a ilha original é bela.

Ainda que os trabalhadores e os deuses se unam contra você e a derrota seja certa, fica um ar de beleza bucólica no jogo. Perder aqui sempre será bonito. Triste, mas bonito.

Considerações finais: Santorini é a simplicidade elegante

Santorini

Não tem como não gostar desse joguinho. Créditos Daily Worker Placement

Não consigo entender porque Santorini ainda não desembarcou em nossas terras. Com regras simples, mecânicas bem amarradas e um dinamismo incrível. Tudo isso, aliado a uma beleza realmente consistente, faz dele um jogo elegante.

Ele deve agradar tanto a jogadores mais experientes, quanto a jogadores mais novos, é um autêntico clássico (e essa denominação não é minha). Impossível jogar apenas uma partida. Você com certeza se sentirá desafiado a jogar uma segunda, ou terceira em seguida.

Mesmo que a patroa fique nervosa com seu jeito “blocão” de jogar, atrapalhando cada passo, será divertido. Um jogo de marcação acirrada, mas muita liberdade de ações táticas. Santorini deveria chegar logo por aqui.

Imersão BG

Obrigado a todos que prestigiam cada texto, comentam e participam. Na próxima semana um pulo da Grécia para Portugal, em um cataclismo lisboeta!

Abraços!

Tags: , , , , , , , , , ,


Sobre o Autor



Voltar ao Topo ↑